Cultura & Comércio

Wilson Otero
E Tenho Dito!
Colunista
Wilson Otero
José Raimundo
Crônica Do Leão
Colunista
José Raimundo
Fernando Wardi
Nossa Terra
Colunista
Fernando Wardi
Maria Das Graças Babá Reis Couto
Comportamento
Colunista
Maria Das Graças Babá
Clemer Gouvêa
Culinária
Colunista
Andrea Otero
José Guedes
Coluna Do Zé
Colunista
José Guedes
Maria Efigênia
Histórias Para Pensar
Colunista
Maria Efigênia
Leo Marques
Bafônicas
Colunista
Leo Marques
Wesley Fortes
Semana na Câmara
Colunista
Wesley Fortes
Leo Alves
Seu Direito
Colunista
Leo Alves

Ataque de leão

E-mail Imprimir PDF
O Leão animal de verdade é considerado o Rei das Selvas, o maioral entre os felinos, e nos estudos e acompanhamentos realizados  pelos especialistas da categoria, é possuidor do mais eficiente ataque entre todos os animais selvagens, e se transportarmos essa teoria para o nosso querido e fictício Leão do Bonfim, na atualidade os mais novos podem até achar utopia exatamente pela falta de assertividade dos nossos ataques, mas certamente os mais antigos concordaram com o que vamos lembrar nesse texto. 
Um histórico de ataques competentes, alguns chagando até a serem temidos pelos adversários, sobretudo aos que premiaram os villanovenses entre ás décadas de 50 e 90, onde poderemos citar inúmeros figurantes que ajudaram a abrilhantar o curriculum vitorioso deste período. 
Sem contar os competentes atacantes dos anos trinta quando o Villa Nova se tornou o primeiro Tricampeão Mineiro da era profissional, podemos relembrar o inesquecível time Super-campeão de 1951, que tinha um quinteto agressivo e respeitado, formado por Osório, Vaduca autor do gol do título e que está aí pra nos confirmar, Chumbinho, Foguete e Escurinho, este último que também ainda vive entre nós.  Nas décadas de sessenta e setenta foram vários os nomes de peso que envergaram a camisa alvirrubra, como por exemplo o internacional Hélio Bria que nos dias de hoje conta suas histórias pelas ruas do Bonfim com alegria, Adair que depois se tornou campeão mineiro pelo Siderúgica de Sabará e que nos deixou precocemente viajando fora do combinado, do inesquecível Paulinho Cai-Cai que também já partiu dessa pra melhor mas que foi um atacante que deixava sua marca em quase todos os confrontos, como também já foi o ótimo Nelsinho, um meia que jogava um futebol refinado mas que gostava de balançar as redes com frequência, ou então do querido Zé Leite que hoje em dia mora no bairro do Retiro, e que agora ainda nos presenteia com seus apreciáveis livros de poesias. 
E a lista não para por aí,  e pra fazer os colorados gritarem gol passaram por aqui naquela época nomes como os de Totonho que não perdoava os goleiros e seu companheiro Gil, o famoso Búfalo Gil da Copa de 78, que atualmente mora no Rio de Janeiro mas que nunca se esquece de Nova Lima. Cândido, Elísio e Dirceu Belisquete foram outros que deixaram suas marcas neste período, principalmente o nosso querido Dirceu, que nos dias de hoje ainda tem fôlego para contar aos novatos os ricos detalhes do seu tempo de artilheiraria. 
Na derradeira década de noventa ainda tivemos nomes interessantes como o de Badico, que teve uma passagem rápida mas que deixou saudades, e a dupla infernal de Milton Doidão e Adão Seleção que encantaram os villanovenses nos anos de 1997 e 98. 
Certamente poderemos ter esquecido de citar alguns outros, mas que faremos questão de corrigir nas próximas edições com a ajuda dos apaixonados alvirrubros, e poder confirmar a fama do Leão em ser um atacante eficiente, eficaz e poderoso, para honrar a fama de termos um verdadeiro Ataque de Leão. 
Saudações alvirrubras, o abraço especial da semana vai para o grande villanovenos grandes atacantes villanovenses de todos os tempos. 

( 1 Vote )
 
You are here: Home Crônica do Leão Ataque de leão