Cultura & Comércio

Wilson Otero
E Tenho Dito!
Colunista
Wilson Otero
José Raimundo
Crônica Do Leão
Colunista
José Raimundo
Fernando Wardi
Nossa Terra
Colunista
Fernando Wardi
Maria Das Graças Babá Reis Couto
Comportamento
Colunista
Maria Das Graças Babá
Clemer Gouvêa
Culinária
Colunista
Andrea Otero
José Guedes
Coluna Do Zé
Colunista
José Guedes
Maria Efigênia
Histórias Para Pensar
Colunista
Maria Efigênia
Leo Marques
Bafônicas
Colunista
Leo Marques
Wesley Fortes
Semana na Câmara
Colunista
Wesley Fortes
Leo Alves
Seu Direito
Colunista
Leo Alves

Ponto Frio

E-mail Imprimir PDF
A torcida villanovense já se preparava para deixar o estádio Castor Cifeuntes comemorando a primeira vitória do  time na competição, mas ao apagar das luzes e debaixo de muito frio, acabamos amargando um empate que não estava nos planos de ninguém, pela maneira que tomamos o gol, mais uma vez no finalzinho, e principalmente pelo fato de ter visto o time jogar bem, considerando a falta de entrosamento de uma equipe que havia treinado junto apenas uma vez.   

Um horário ingrato, em uma tarde fria de domingo ás quatro da tarde, diante da concorrência de outros jogos atrativos transmitidos pela televisão, com a estreia de uma equipe que a torcida ainda não conhecia direito, o pequeno público de apenas 495 torcedores onde apenas um terço deles pagou ingresso, novamente levou o clube ao prejuízo, sendo obrigado á pagar pra jogar atuando em seus domínios, mostrando de novo que precisamos marcar os jogos aqui em horários alternativos, como sábado á noite que anda sem muitas opções de lazer na cidade, ou mesmo no domingo pela manhã principalmente agora que estamos sem jogos do futebol amador.

Que sirva de lição mais uma vez, e com a chegada do jovem Thiago novo Diretor de futebol, esperamos mudar essa história daqui pra frente.  No jogo fomos surpreendidos positivamente principalmente no primeiro tempo, quando a equipe de João Carlos mostrou um bom futebol, com destaque para o trio ofensivo, formado pelos jovens Ítalo, Andrezinho e Gustavo França autor do gol alvirrubro, que mostraram agressividade e muita disposição na disputa das bolas, proporcionando momentos interessantes nos primeiros quarenta e cinco minutos de peleja. O setor de meio campo também se portou bem e não inventou, jogando um arroz com feijão que não comprometia a vantagem conquistada aos 29 minutos após a certeira cabeçada de Gustavo França, mas com a parte defensiva se mostrando muito insegura além da falta de entrosamento, detalhes que deverão ser corrigidos com a orientação do técnico João Carlos durante a semana, mas principalmente pela reestreia do experiente Carciano, que volta á Nova Lima depois de um longo período atuando por outras equipes.

Certamente que seu encaixe será de grande valia para a melhora naquele setor, e com mais uma semana de treinamentos, acreditamos que o quadro vermelho e branco conseguirá fazer um bom jogo diante do forte São José lá no Rio Grande do Sul, atuando ás quatro horas da tarde do próximo sábado na cidade de Novo Hamburgo, onde o Villa já jogou pela série-C' no ano de 2005 contra o rival de mesmo nome da cidade.

Pontuar no campo dos gaúchos será essencial para as pretensões do Villa se quiser realmente chegar á classificação, e por isso mesmo a movimentação de todos durante a semana será primordial para alcançar esse objetivo, até mesmo para compensar a perda dos dois pontos que certamente farão muita falta ao final da primeira fase. 

Saímos com apenas um ponto quando já contávamos com três, um empate que incomodou muito como frio que fazia naquela tarde, um único ponto na estreia dentro de casa, um verdadeiro ponto frio.

Saudações alvirrubras, o abraço especial da semana vai para o amigo Eustáquio presidente do Montanhês, que viu sua obra ser demolida de forma arbitrária por uma administração perdida e sem noção.


( 1 Vote )
 
You are here: Home Crônica do Leão Ponto Frio