Cultura & Comércio

Wilson Otero
E Tenho Dito!
Colunista
Wilson Otero
José Raimundo
Crônica Do Leão
Colunista
José Raimundo
Fernando Wardi
Nossa Terra
Colunista
Fernando Wardi
Maria Das Graças Babá Reis Couto
Comportamento
Colunista
Maria Das Graças Babá
Clemer Gouvêa
Culinária
Colunista
Andrea Otero
José Guedes
Coluna Do Zé
Colunista
José Guedes
Maria Efigênia
Histórias Para Pensar
Colunista
Maria Efigênia
Leo Marques
Bafônicas
Colunista
Leo Marques
Wesley Fortes
Semana na Câmara
Colunista
Wesley Fortes
Leo Alves
Seu Direito
Colunista
Leo Alves

Construtores da Vida

E-mail Imprimir PDF
Por mais que gostemos da vida no corpo físico, um dia, todos morreremos, isto é fato. Morrem os pobres e morrem os ricos.
Foi assim que um dia aquele homem, que detinha poder e muitas posses, foi habitar o além. Foi recebido pelo benfeitor, encarregado de conduzi-l  à sua nova residência.
Caminhavam calmamente por um lugar pitoresco, com ruas calmas, um gramado  extenso e grande variedade de árvores e jardins. Ao passarem por uma das casas, o benfeitor mostrou-a ao homem e lhe disse: “observe!   Aquela é a casa de sua cozinheira.” “Mas ela   ainda não morreu”, respondeu o homem.
Sem dar nenhuma resposta, andaram por mais algum tempo e o orientador mostrou outra casinha graciosa e disse: “essa é a casa do seu jardineiro”.
Ambas eram casas muito agradáveis. Simples, mas aconchegantes. Jardins com flores silvestres e pássaros voando e cantando por entre as borboletas que pousavam de flor em flor.
Discretos regatos com águas cantantes e  cristalinas cortavam os gramados verdes. O homem estava muito animado, pois se  seus empregados teriam moradias tão agradáveis, o que não estaria reservado a ele, um homem rico e poderoso? Caminharam por mais algum tempo,  quando o benfeitor parou diante de um barraco, localizado numa área menos clara e quase sem nenhum encanto.
Com um gesto gentil indicou ao homem sua nova residência. O homem teve um sobressalto. Indignado perguntou ao orientador: “como posso eu, um homem rico e   possuidor de muitos bens, morar agora nesse barraco caindo aos pedaços? Sem dúvida deve ser uma brincadeira!”. “Infelizmente não é, meu filho”, falou amavelmente o benfeitor. E acrescentou: “todas as construções  são feitas com os materiais que vocês nos enviam diariamente enquanto estão na Terra. São materiais invisíveis aos olhos físicos, mas firmes o bastante para construir um  recanto sólido aqui, no mundo espiritual”.
“Cada gesto nobre, cada boa ação, cada trabalho realizado com honestidade e desinteresse, são matérias primas importantes aplicadas nos tesouros verdadeiros deste lado da vida”.
“Mas como saber disso, se ninguém me avisou enquanto estava na Terra?”, objetou o infortunado. “Ora, meu filho, talvez você tenha esquecido, mas há mais de dois milênios se ouve falar de  um Homem chamado Jesus, que orientou muito bem sobre essa questão, recomendando que se construíssem tesouros no céu, onde nem a traça come nem os ladrões roubam”.
Pensativo e sem argumentos, o homem adentrou seu mísero barraco, em busca de  um mínimo de conforto para sua alma inquieta.
REFLETINDO: Nossos maiores tesouros são as virtudes. A compaixão, a fraternidade, a solidariedade, a ternura, o afeto, são elementos importantes na construção da beleza e da harmonia.
A honestidade, a dignidade, a humildade, a indulgência e a justiça, são virtudes essenciais para construções sólidas e indestrutíveis.
Assim sendo, vale à pena investir nesses tesouros desde hoje, pois a imortalidade não é uma proposta para ser pensada depois da  morte, é uma realidade para ser vivida hoje.

( 5 Votes )
 
You are here: Home Matérias Histórias Para Pensar Construtores da Vida