Cultura & Comércio

Wilson Otero
E Tenho Dito!
Colunista
Wilson Otero
José Raimundo
Crônica Do Leão
Colunista
José Raimundo
Fernando Wardi
Nossa Terra
Colunista
Fernando Wardi
Maria Das Graças Babá Reis Couto
Comportamento
Colunista
Maria Das Graças Babá
Clemer Gouvêa
Culinária
Colunista
Andrea Otero
José Guedes
Coluna Do Zé
Colunista
José Guedes
Maria Efigênia
Histórias Para Pensar
Colunista
Maria Efigênia
Leo Marques
Bafônicas
Colunista
Leo Marques
Wesley Fortes
Semana na Câmara
Colunista
Wesley Fortes
Leo Alves
Seu Direito
Colunista
Leo Alves

O LIMPADOR DE ESGOTOS

E-mail Imprimir PDF

Um limpador de esgotos que havia passado a vida inteira desentupindo os esgotos da cidade foi certo dia ao bazar.

No decorrer do tempo, ele havia se acostumado ao terrível cheiro do esgoto. Sem nenhum problema ele podia trabalhar com toda imundice da cidade sem franzir o nariz. Resolveu sair pela cidade para comprar flores para sua esposa.
Entrando em uma floricultura pode-se sentir a fragrância que todas as pessoas consideravam maravilhosa, mas para ele era demasiadamente forte e assim o limpador de esgotos desmaiou-se. Foram varias as tentativas de trazê-lo de volta a consciência.
As pessoas ficaram paradas em volta dele, sem saber o que fazer.
Estava passando por ali um medico que resolveu averiguar o acontecia.
Reconhecendo pelas vestes que se tratava de um homem simples e que se encontrava sujo, logo teve uma ideia. Pegou um punhado de barro da rua e segurou-o sob as narinas do homem. Subitamente, como se tocado por uma varinha de condão, o limpador de esgotos abriu os olhos. Os espectadores ficaram estupefatos com o fato. Mas o medico dizia de maneira indiferente:  "O homem não estava acostumado com a fragrância das rosas.
“Como pode aquele que nada descobriu a respeito do ser saber o que o ser é”. (Apud Saadi)
Às vezes estamos tão acostumados a conviver com o lado sujo da vida quando conseguimos saborear o lado divino das coisas.


( 5 Votes )
 
You are here: Home Matérias Histórias Para Pensar O LIMPADOR DE ESGOTOS